10 de janeiro de 2018

Dra Sheila Cavalcante explica a criofrequência, novo método queridinho das celebridades e que nocauteia a celulite, gordura localizada e flacidez!

sheyla-2-stylife-2

Que tal usar a tecnologia a favor da beleza para dar um up no shape de verão? Ou começar a colocar em prática, de fato, as metas de cuidados pessoais para 2018? Pois é, aliados a uma alimentação mais saudável e à prática de exercícios físicos, os tratamentos estéticos com tecnologia de ponta formam o combo perfeito para atacar o nosso trio inimigo: celulite, gordura localizada e flacidez.

Considerado um dos tratamentos mais poderosos da atualidade, a criofrequência tem se revelado um verdadeiro sonho – e é queridinho ode celebs como Fernanda Souza, Ivete Sangalo e Aline Riscado. Através de uma ponteira ultracongelada –  que resfria a pele a menos 10º enquanto o calor da radiofrequência atinge as camadas mais profundas, estimulando a formação de novas fibras de colágeno e elastina e a quebra da gordura -, o método produz vários choques térmicos, proporcionado uma tensão instantânea da pele, levando a resultados contra a flacidez e gordura em menos tempo.

Segundo a médica Sheila Cavalcante, da Sheila Cavalcante Clínica Conceito, entre os protocolos que tratam de celulite, gordura localizada e flacidez, a criofrequência está entre os mais procurados. “A criofrequência auxilia não só no tratamento corporal, mas também no rejuvenescimento facial e de papada / bochechas. É uma tecnologia completa. Se a necessidade do paciente é a face, por exemplo, a crio ajuda a dar mais firmeza, tratando linhas de expressão e até mesmo melhorando o contorno”, explica.

Os resultados da terapia, desenvolvida e patenteada pela Body Health, podem ser vistos na primeira sessão e o incomodo na aplicação é mínimo, uma vez que o encontro do frio na epiderme e do calor nos tecidos internos garantem segurança e mais conforto para os pacientes, sem riscos de queimaduras. Quer mais notícia boa? Os efeitos são bem duradouros e, numa média de quatro a oito sessões, o paciente já sai bem satisfeito. “O número de sessões varia de acordo com cada paciente e sua aplicação pode ser semanal, quinzenal ou mensal, de acordo com a disfunção a ser tratada”, ressalta Sheila.

Já estamos loucos para testar! Lembrando que, para realizar o tratamento, é importante procurar um profissional habilitado, hein?

Fotos: Thomaz Japaissú